A revista mais premiada do Paraná
14 anos de história

Bola na Aldeia

Márcio Couto
Médico, escritor e entusiasta do esporte
DESCLASSIFICADO

Derrota por 5x0 tira o Cascavel do Estadual de 2022

Publicado em: 21/03/2022


Foto: Assessoria de Imprensa FC Cascavel 
O Cascavel buscava a reabilitação no campo e no aspecto emocional

Depois da surpreendente derrota para o pequeno mas aguerrido Tocantinópolis por 2x0 no meio da semana, pela Copa do Brasil (o clube deixou de ganhar 1,9 milhão de reais), o Cascavel buscava a reabilitação dentro e fora do campo no jogo de ontem (domingo, 20 de março), contra o Maringá, pelas quartas de final do Paranaense.

No final de semana anterior o Cascavel perdeu por 1x0, em casa. Os times já se conheciam, e qualquer resultado poderia ser esperado. 

Tcheco insistiu com Vinícius Balotelli no ataque, mostrando muita teimosia; fez alterações apenas no segundo tempo (entrada de Samuel), quando a Serpente Aurinegra já perdia por 3x0.  

O desafio era montar um quebra-cabeça no labirinto construído por ele mesmo, que demorou para definir a equipe titular e mesmo um padrão de jogo, depois de muito tempo contar com Carlos Henrique, que não desencantou nessa temporada – o ataque do Cascavel não mete medo nos adversários. Já eram várias derrotas seguidas dentro e fora de casa.

Alguns torcedores esperavam que a estrela de Tcheco voltasse a brilhar, depois de uma boa temporada em 2021, talvez ajustando a equipe com um elemento surpresa para o jogo, ou que os deuses dos estádios ajudassem os atletas, que têm perdido muitos gols, de forma impressionante.

Falta de sorte ou elenco com integrantes que foram superestimados na contratação?... É o que parece que temos. Foi um erro manter tantos jogadores da temporada passada? É o que parece... Mas isso era impossível de saber. 

Deu tudo errado, ao final da partida. O Cascavel começou melhor, com Alex Nemetz no meio de campo fazendo boas articulações e sendo o “elemento surpresa”. Mas o time perdeu duas chances de gol no primeiro minuto e meio do jogo, com o próprio Vinicius Balotelli e Robinho.

Aos 12 minutos, no primeiro ataque perigoso do Maringá, o árbitro curitibano Lucas Paulo Torezin assinalou um pênalti duvidoso do meia França em Saraiva. Ao que parece, o jogador cavou a falta na entrada da área. Saraiva, ele mesmo, marcou na sequência. Até os 22 minutos o Cascavel jogou melhor, mas depois disso só deu Maringá.

Alemão e Saraiva tramavam boas jogadas; aos 34 minutos Heverton salvou o segundo gol com a ponta dos dedos, numa falha de Doka.  Aos 39 e aos 42 minutos, Saraiva e Vilar marcaram, com falhas do experiente zagueiro Wiliam Simões. O Maringá marcou três gols nas sete oportunidades que teve. O Cascavel teve três oportunidades e não marcou.

Para o segundo tempo o Cascavel esboçou alguma reação, com Samuel e Robinho tendo chances de marcar. Mas foi o Maringá que jogou no erro do adversário e em jogadas rápidas de contra-ataque, sempre com excelente disposição tática; marcou mais dois gols, aos 15 minutos, com Mirandinha, e aos 21 minutos, com Ronald. 

Com isso, o Cascavel se despede da competição com a pior exibição de seu ataque, que nunca marcou fora de casa; e com um decréscimo impressionante da qualidade da defesa, que era muito decantada no início da competição, mas que errou no posicionamento, e com a insistência da marcação homem a homem.

Acabou sofrendo goleadas históricas, como contra o Operário, por 4x0, e essa da noite de domingo, ontem, por 5x0. O arqueiro Heverton falhou apenas no quarto gol. O técnico Jorge Castilho deu um nó tático em Tcheco. 

Esta logística de chegar em Maringá, em cima da hora, foi questionável, porém é usada por muitos times em competições continentais. No caso do Cascavel, além do descanso necessário durante a semana, também (pensou-se) serviria para uma introspecção: onde e quando foi perdido o fio da meada. E por quê? As respostas serão difíceis, mas só havia uma saída para um time de futebol: parar de perder e voltar a vencer.

A jornada em Maringá esperava-se dura, mas não tanto – deve ter selado o destino do Tcheco: espera-se uma completa mudança na comissão técnica e a contratação de novos jogadores para a Série D do Campeonato Brasileiro, para todos os setores. Muitos torcedores já estavam desesperançados, mas tudo podia acontecer.

Pensava-se que se os jogadores tivessem atitude, mais, e um pouco de sorte, menos, a Serpente reencontraria o caminho da virtude no futebol, que é vencer. Aconteceu o pior, e teme-se que o ambiente no vestiário não era o que aparentava. William Simões declarou no final que faltou amor à camiseta e falta de disposição a alguns jogadores, o que ninguém desejava.

O presidente Valdinei Silva afirmou que serão feitas as mudanças necessárias para o objetivo de ascender à Série C. Aguardemos.

Com os demais resultados do Estadual, Athletico 2x1 contra o Londrina, vencendo nos pênaltis por 4x2, e Operário 2x0 São Joseense, passaram para as semifinais e o Atlhetico decide uma vaga contra o Coritiba (bateu o Cianorte por 3x0) e o Maringá contra o Operário.

Apesar da eliminação, o Cascavel garantiu a classificação para a Série D do Campeonato Brasileiro em 2023, com a vitória do Coritiba sobre o Cianorte. 

A Série D começa no mês que vem, a partir do dia 17. O Cascavel vai estrear contra o Próspera, de Santa Catarina, em data ainda a ser confirmada. A tabela da competição deverá ser divulgada nos próximos dias pela CBF.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Expresse, fale, opine, sugira! Nós queremos fazer nossa Aldeia cada vez melhor.

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
© 2022 REVISTA ALDEIA Todos os direitos reservados.
Alguma dúvida? Nos te ajudamos. Ligue: (45) 3306-5751