Colunas

Um assopro e a faísca vira fogo

Publicado em: 09/04/2018

Ali, a cerca de três quilômetros do aeroporto de Cascavel, em uma chácara que poderíamos chamar de paraíso, vivem, desde janeiro deste ano, dois dos incentivadores e criadores da Faísca - Feira Agroecológica de Inclusão Social, Cultura e Artes de Umuarama.

Esperando uma rajada de vento maior por essas bandas para incendiar o projeto por aqui, Ronaldo José Moreira, ex-conselheiro de economia solidária do governo federal e artesão, e Aleçandro Faria Araújo, filósofo e artista plástico, seguem sua vida pacata, cercados de ideias, projetos e, é claro, obras de arte.
Conhecida como Faísca, a feira é fruto de um projeto da Incubadora de Empreendimentos Econômicos Solidários (IEES), vinculada ao Departamento de Ciências Agrárias do campus da UEM em Umuarama (CAU). Os produtores atendidos reconhecem que o projeto é a possibilidade de fechar o ciclo de produção e de distribuição dos alimentos que são cultivados e beneficiados por eles.

Em Umuarama, o projeto teve, além de Ronaldo e Aleçandro, Max Emerson Rickli, idealizador e coordenador da incubadora da UEM em Umuarama, Thiago Casoni, fotodocumentarista social, e Cláudia Rezende, psicóloga social, especialista em empoderamento e tatadrama.

Inclusão
O interessante desse tipo de feira é que cada produtor, por menor que seja, pode colocar seus produtos à venda, mesmo que não haja variedade de cultura. Ronaldo conta que o Faísca começou nas pequenas propriedades, com a orientação sobre o manejo correto do solo, redução de danos ao meio ambiente e à agroecologia. Para ele é importante construir espaços de comercialização de produtos ecologicamente corretos. "A inclusão está em permitir que, por menor que seja a produção, ela esteja à disposição do cliente. É a economia solidária", reforça Aleçandro.

Em Umuarama, a faísca que virou fogaréu reúne no mesmo espaço público os produtos agroecológicos, artesanato, dança e música. Mas a feira trouxe a oportunidade do consumidor ter um alimento fresco e livre de agrotóxicos e da interação da comunidade. A liberdade da criação para os artistas, mestres cervejeiros, artesãos, todo mundo pode contribuir com aquilo que tem de melhor.

Enquanto a faísca não pega por aqui, os meninos demonstram todo seu talento na Feira do Teatro, que acontece todos os domingos de manhã. Eles também disponibilizam quartos na chácara para quem tem interesse em um maior contato com a natureza. Na diária, está inclusa a realização de alguma oficina de arte para aprofundar o relaxamento.

Contato
facebook.com/Estância Faísca
Whats APP (45) 99988 7823

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!