Colunas

Família é a primeira equipe

Publicado em: 09/08/2018

É TUDO CULPA DA MÃE...E DO PAI TAMBÉM, É CLARO! A FAMÍLIA É NOSSA PRIMEIRA EQUIPE E CADA UM DEVE FAZER A SUA PARTE!

 

Como educadora e psicopedagoga, tem uma fala que me incomoda muito e que eu ouço repetidas vezes em situações de convivência social, principalmente nas conversas entre mulheres/mães: “Ele é um bom pai, me ajuda muito com as crianças.” Entendo que ainda é um tanto difícil para nossa cultura e sociedade atuais, encontrar o que é que há de errado nessa frase, já que muitos pais, ainda nos dias de hoje, nem mesmo ajudam com as crianças, mas vamos nos ater aqui ao caso dos pais que ajudam com as crianças. 

Eu, particularmente sou contra pais ajudarem mães a criar e educar filhos! Calma, explico. Na verdade sou contra o uso do verbo ajudar, acredito que a expressão que deve ser usada ao dividirmos a nobre tarefa de criar filhos com um companheiro, é: “Meu marido é um bom pai, porque ele faz a sua parte.” Acredito que é nessa fala, com uso do verbo ajudar, que começam alguns dos erros que resultam na falta de parceria na criação dos filhos e é onde começa também uma parcela significativa dos problemas entre os casais.

“– Que exagero, Daisy. É só uma palavra, poderia ter usado outra qualquer”, disse-me uma amiga em um desses momentos de convivência. Concordo com a minha amiga, vamos precisar mais do que uma simples mudança de palavras, mas acredito que  essa pequena mudança de palavras pressupõe uma grande mudança de atitudes, pois quem ajuda, ajuda porque quer. Por outro lado, quem “faz a sua parte”, o faz, porque tem uma parte a ser feita, tem um dever a cumprir. Quem é que fica responsável pelo quê? Quem é que acompanha as tarefas da escola, dá banho, providencia a comida? Estabelecer como responsabilidade as tarefas que o ato de educar uma criança requer é o melhor caminho para evitar conflitos e tirar os pais/maridos da condição de coadjuvantes, colocando-os na condição de co-responsáveis, na condição de protagonistas ao nosso lado. 

Essa reeducação contribuirá não só para uma convivência mais harmoniosa em família, mas principalmente para educarmos nossos filhos de maneira mais eficiente através dos exemplos que eles observam em nós, pais, lembrando que a educação para a convivência em comunidade e o respeito à igualdade de gêneros começa bem cedo e dentro de casa.

 

Daisy Cristina Olerich Cecatto é psicopedaoga, 
educadora e diretora da escola de idiomas Yázigi

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.