Colunas

Porque tradição é tradição

Publicado em: 13/12/2019

E o que dizer das bolachas decoradas? Sim, as bolachas, guloseimas tão meigas e deliciosas que, na época de Natal, se apresentam extremamente maquiadas com coberturas mirabolantes, anilina e confeitos de toda natureza e de todas as cores

É quase unânime. O coco é uma das frutas mais saborosas de que se tem notícia. É raro alguém não gostar dele. Não importa se é coco verde ou coco maduro. Tudo nele é gostoso. Mas, em função da sua grande popularidade, a fruta é muito solicitada e acaba se envolvendo com outros pratos que nada têm a ver com ela. 

E assim, o coco perde a sua identidade, passando a ser coadjuvante, com papéis mais figurativos, como cobertura de bolos e docinhos, tempero para canjica, complemento do arroz doce e por aí vai. Pra quem gosta, é um prato cheio. Mas, pra mim, coco que é coco não se mistura. Ele deve ser sempre protagonista, como na cocada da dona Paulina de Mallet. Falando em culinária, as festas de fim de ano estão chegando. E com elas chega também uma infinidade de harmonizações gastronômicas que muitas vezes não são muito harmônicas. Mas, tradição é tradição.

Não podemos negar que a mesa da ceia é sempre maravilhosa. Mas aí vem a necessidade de prestar bem atenção em cada prato para tentar descobrir do que se trata. O arroz é um verdadeiro presente de grego, que vem sempre recheado de uva passa. Nada contra a uva passa. Apesar da sua aparência enrugada, a uva passa é um alimento do bem e muito gostoso também. Mas apenas em carreira solo. Sozinha ela é tudo de bom: serve de lanche, é leve, nutritiva e portátil porque quase não ocupa espaço e assim não precisa de potinho, não faz volume na bolsa, é uma querida. 

Mas quando a uva passa se junta com outros alimentos, ela muda de personalidade e, aí, salve-se quem puder. Pra quem gosta, é um prato cheio. Um só não, vários. Isto porque a uva passa é uma figura versátil, nunca vai ficar desempregada, pois surge em várias receitas. Tem uva passa no arroz, na farofa, na sobremesa, no bolo, na decoração dos pratos e da mesa também. Mas, quem não aprecia essa mistura tropical, tem sempre a missão de ficar separando a uva passa e disfarçando para que ninguém perceba a saia justa.

E o que dizer das bolachas decoradas? Sim, as bolachas, guloseimas tão meigas e deliciosas que, na época de Natal, se apresentam extremamente maquiadas com coberturas mirabolantes, anilina e confeitos de toda natureza e de todas as cores. E quando você as morde, é bolinha caindo na roupa, é glacê pulando nos cabelos e se espalhando pra todo lado. E o gostinho de bolacha, que todo mundo gosta, acaba passando despercebido diante de tanta produção. Mas, tradição é tradição.


 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!