Colunas

A pior praga de gafanhotos

Publicado em: 18/09/2020

Estamos na primavera, época na qual a natureza começa a florescer. Mas, mesmo na estação das flores, nem tudo são flores. Há algo de estanho no ar. No lugar das cores, há um céu cinzento

Na minha infância, as estações do ano eram bem definidas e o calor, frio e intensidade das chuvas aconteciam de maneira equilibrada: na primavera, a natureza se enfeitava e se perfumava para esperar o verão. Quando ele chegava, até os dias eram mais longos para que todos pudessem aproveitar ao máximo. O outono vinha já anunciando o Inverno. E quando o frio chegava, os mais velhos diziam que era para matar as pragas. Ainda criança, ouvi os primeiros alertas de estudiosos e de amantes da natureza sobre o que vivenciamos hoje.

Estamos na primavera, época na qual a natureza começa a florescer. Mas, mesmo na estação das flores, nem tudo são flores. Há algo de estanho no ar. No lugar das cores, há um céu cinzento. Em vez do perfume da nossa linda flora, sentimos é cheiro de fumaça. Fumaça das indústrias, do escapamento dos veículos e fumaça das florestas. Sim, as florestas estão ardendo em chamas. Em plena estação das flores, nem tudo são flores e há algo de podre no ar. 

Em vez da natureza estar se renovando, ela está sendo assassinada. Junto com a morte cruel das florestas, morrem também famílias inteiras de animais inocentes e indefesos. Junto com as florestas, morrem também o oxigênio e a água, fundamentais para a nossa sobrevivência. E as flores que ainda conseguem desabrochar estão cobertas de fuligem. As abelhas quase não têm matéria-prima para a fabricação do mel e seus derivados. E como misturado à fuligem há também muito veneno “legal”, daqui a pouco também não haverá mais abelhas. E sem elas, a nossa vida no planeta estará com os dias contados. Em plena estação das cores, nem tudo são flores e há algo de monstruoso no ar. Até a luz do Sol foi ofuscada pela fumaça da chacina.

Mas, o que está acontecendo? Que força maléfica, mesquinha e destruidora seria capaz de provocar tal tragédia? Acredite, o causador desse e de outros eventos contemporâneos relacionados à natureza é um ser incrível, inteligente, criativo, porém humano. Um ser brilhante, porém, covarde a ponto de usar toda a sua inteligência para se comportar feito uma nuvem de gafanhotos famintos. 

E quando uma onça ou outro animal silvestre, desorientado, com medo e com fome vem parar na cidade, todos ficam se perguntando o porquê. Eu tenho pena e também muita vergonha desses animas. Espero que um dia eles possam nos perdoar. Escrevi com lágrimas nos olhos porque não consigo aceitar essa destruição. Mesmo sabendo que este texto seria apenas uma gota d’água nesse grande incêndio, eu não poderia ficar de braços cruzados. 




 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

1 COMENTÁRIO(S)

Infelizmente o Capitalismo impõe prejuízos irreversíveis ...
comentado por Rosane Czepula em 25/09/2020
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!