A revista mais premiada do Paraná
14 anos de história

Fora da Oca

Rosí Czepula Meassi
É publicitária e jornalista.

Feliz Dia da Criança

Publicado em: 13/10/2017
Não há nada mais tocante que ver uma criança dormindo. É um indescritível espetáculo silencioso, parece que o mundo para, se rendendo à beleza daquele momento. Quanta fragilidade e mistério há naquele serzinho tão dependente e desprotegido, ali, entregue ao sono. Não importa se é em berço de ouro ou não, se é aqui ou em qualquer parte do planeta. Seja de que crença for, seja hoje ou desde que o mundo existe, uma criança dormindo é algo simplesmente lindo.

Se dormindo, elas já têm todo esse poder, acordadas, então, são imbatíveis. Curiosas, incansáveis e destemidas, as crianças têm uma força capaz de nocautear física e emocionalmente qualquer adulto. Mas se essas criaturas são tão fortes e incríveis porque é que a humanidade está em constante decadência, em todos os sentidos? O lógico seria que, a cada geração, surgissem pessoas melhores em sua essência. Nem gênios, nem superdotados, apenas pessoas mais humanas, porque é isso que somos ou deveríamos ser.

Quero acreditar que, mesmo nesses tempos incertos, as crianças continuam nascendo puras, inocentes e autênticas, e que é o meio ambiente que as transforma ou deforma em seres egoístas, interesseiros e antissociais. Mas, afinal, em que momento da vida nós deixamos de ser puros, destemidos e sinceros, como as crianças? Em que momento, perdemos a capacidade de sermos simplesmente humanos?

Por mais adultos e racionais que tenhamos que ser no cotidiano, sempre há alguma criança em nosso contexto. Pois bem, que essa criança, invertendo a ordem natural das coisas, nos sirva de exemplo para que, de vez em quando, a gente se dê o direito de fazer algumas criancices. Por que não brincar na chuva? Provar a cobertura do bolo com o dedo e rir sem parar, assistindo a um desenho animado?  Ah, e que tal se sujar brincando na terra e cantar mesmo que esteja pra lá de desafinado? Parece coisa de gente doida, mas esses “exercícios” talvez possam amolecer um pouco os nossos corações e possam abrir os nossos olhos para que consigamos ver como a vida é simples. É a gente “grande” que complica.

Nesse mundo caótico, se conseguirmos manter, pelo menos um espírito de criança, nem tudo está perdido. Pense nisso. Feliz dia da criança para as suas crianças e para a criança que mora dentro de cada um de nós. Mesmo que ela ainda esteja dormindo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Expresse, fale, opine, sugira! Nós queremos fazer nossa Aldeia cada vez melhor.

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
© 2022 REVISTA ALDEIA Todos os direitos reservados.
Alguma dúvida? Nos te ajudamos. Ligue: (45) 3306-5751