Colunas

No meio do caminho tinha uma fila, tinha uma fila no meio do caminho

Publicado em: 09/04/2018

Ela nos acompanha praticamente a vida toda. Nela sempre há duas classificações: alguém tem que ser o primeiro e alguém tem que ser o último. No bufê do restaurante em quilo, pra entrar naquele show imperdível, pra tomar o ônibus, pra fazer o check-in no aeroporto, pra subir naquele brinquedo que parece um liquidificador gigante... Pra quase tudo tem fila. E na fila também tem quase de tudo.

Tem gente que gosta de trocar ideia sobre o tempero da salada, sobre o tempo e sobre a política. Tem gente que, sem pudor algum, abre a caixa de ferramentas e lava a roupa suja da casa, ali mesmo. Há os filósofos, há os carentes, há os alheios a tudo e há os empata-fila: bem naquele dia em que você precisa almoçar correndo porque ainda tem que enfrentar a fila do autoatendimento do banco, você se depara com pessoas que fazem reunião na fila do bufê. É um exercício enorme de autocontrole.

O mundo girando, até os ponteiros do relógio começam a pular os segundos de dois em dois, pessoas apressadas atrás de você e eles ali, discutindo se votam no arroz branco ou no integral; se vão experimentar a carne assada ou o bife na chapa ou, pior ainda, ficam calculando as calorias do prato, ali, em plena fila. Mas há também os desesperados que entram na fila como se estivessem disputando uma maratona gastronômica. Esses são os mais perigosos. É melhor deixá-los passar do que sair dali com a roupa toda respingada com o molho do macarrão à bolonhesa.

E quem sobreviver à fila do bufê, automaticamente já tem anticorpos para enfrentar a fila do caixa. Imagine a cena: faltou um funcionário e o outro se desdobrava entre moedas, cartões de débito, de crédito, chicletes, CPFs e CNPJs. O rapaz, numa espécie de transe, repetia como se fosse um mantra: CPF na nota? CPF na nota? Chovia muito e, em meio a trovões e a relâmpagos, faltou energia elétrica, o sistema caiu e a fila aumentou ainda mais. Uns pagaram em dinheiro, já outros ficavam ao lado, formando a fila dos que aguardavam a energia voltar, para pagar com cartão. E os que conseguiam pagar, iam pra fila de resgate aos seus guarda-chuvas que estavam numa espécie de balde, na saída do restaurante.

Eu podia ficar aqui, escrevendo sobre fila que assunto não iria faltar, mas agora eu preciso encerrar, senão vou atrasar a fila de textos da editora. Independente de qualquer coisa, fila não deixa de ser uma maneira de organização.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!