A revista mais premiada do Paraná
14 anos de história

Mulheres Líderes

Gisele Gomes
Gisele Gomes é embaixadora do Programa Rede Global de Mulheres Líderes – GWLN/WOCCU no Brasil

Trabalho doméstico

Publicado em: 12/02/2021
“Se um empregador contratasse trabalhadores pelo valor de mercado para fazer todas as tarefas que as mulheres realizam sem receber nada por isso, o trabalho não remunerado seria o maior setor da economia global”

Mãe, o que é uma dona de casa? Outro dia essa foi a pergunta que meu filho, Heitor, de 10 anos, direcionou a mim. Em um primeiro momento, por breves instantes na verdade, eu pensei: ele me fez esta pergunta porque me vê como uma mulher que trabalha fora e tem uma profissão externa à casa. Mas logo na sequência me dei conta que isto significa a invisibilidade do trabalho doméstico e da desvalorização que estas atividades têm em âmbito geral. 

Lendo o livro “Mulheres que Voam”, da Melinda Gates, descobri que a pesquisadora Marilyn Waring, por meio de estudos, descobriu que: “Se um empregador contratasse trabalhadores pelo valor de mercado para fazer todas as tarefas que as mulheres realizam sem receber nada por isso, o trabalho não remunerado seria o maior setor da economia global. No entanto, os economistas ainda não consideravam que isso fosse trabalho.”

Existem dados discrepantes acerca do tempo que as mulheres dedicam na execução de atividades da chamada economia do cuidado. O termo se refere ao trabalho que é realizado majoritariamente por mulheres para a manutenção do bem-estar social, sobrevivência e educação das pessoas a sua volta. Como visto anteriormente, em âmbito doméstico o trabalho não é remunerado, e, em âmbito profissional em geral, é mal remunerado. Em alguns países as mulheres dedicam o dobro do tempo que os homens em execução destas tarefas e em alguns outros países cinco vezes mais. 

Acredito que há, em relação ao tema, uma construção social histórica, na qual às mulheres cabe/cabia o privado e não o público. O âmbito doméstico, ainda que não seja o lugar exclusivo da mulher (pois muitas trabalham fora e conquistaram a esfera pública) acabou sendo assumido majoritariamente pelas mulheres. A lógica por traz deste dado é que, quanto mais tempo e energia a mulher despende em atividades em casa, menos horas ela terá para se dedicar ao estudo, focar na carreira e realizar outras atividades. 

Não estou dizendo aqui o que cada mulher deve fazer, porque cabe a cada uma de nós decidir o que melhor nos convém. Eu mesma realizo várias atividades domésticas, trabalho fora, estudo. Mas confesso que me sinto sobrecarregada às vezes e, talvez não tivesse consciência desta lógica toda e da importância inclusive econômica do trabalho não remunerado e da sua consequente e triste invisibilidade. 

O que podemos fazer? Segundo a economista Diane Elson aplicar os 3R’s: reconhecer, reduzir e redistribuir. Afinal, parece que Heitor não está fazendo a parte dele nos trabalhos domésticos. O que é uma dona de casa? Sou eu também, meu filho. Sou eu também. Uma lástima, que ninguém vê. Feliz 2021, queridas, queridos e querides leitores. Um afetuoso abraço como sempre, Gisele.




 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Expresse, fale, opine, sugira! Nós queremos fazer nossa Aldeia cada vez melhor.

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
© 2021 REVISTA ALDEIA Todos os direitos reservados.
Alguma dúvida? Nos te ajudamos. Ligue: (45) 3306-5751