Colunas

A publicidade na odontologia

Publicado em: 10/12/2020



Na onda da harmonização facial e a imensa busca pelos procedimentos estéticos, nos deparamos com enxurradas de fotos de pacientes, de procedimentos realizados, e grande publicidade nesta área. Mas você, odontólogo, sabe o que é permitido para divulgação do seu trabalho, sem que infrinja o código de ética da odontologia? Pode parecer um assunto muito frequente, mas ainda existem profissionais que desconhecem tais regras. 

O QUE É PERMITIDO?
Conteúdos educativos e com objetivos de informação para a sociedade; endereços, endereços eletrônicos, horários de atendimento, convênios, credenciamentos, atendimento domiciliar e hospitalar; vídeos de animação gráfica para representar técnicas e procedimentos que tenham reconhecimento científico; especialidades para as quais o cirurgião-dentista esteja inscrito no CRO. 

Divulgar “selfies” desde que haja uma prévia autorização do paciente ou de seu representante legal, através de um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. A simples concordância verbal não é válida. Por isso, profissional, atente-se ao termo e resguarde-se. 

E os famosos antes e depois que vemos nas páginas do Instagram, são permitidos? Com a resolução 196/2019 do CFO – houve a flexibilização dos usos de fotos de antes e depois dos pacientes, não sendo liberado de forma indiscriminada. O odontólogo poderá divulgar imagens do antes e da conclusão do tratamento, lembrando sempre do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), ok?

ALGUMAS AÇÕES PROIBIDAS
Indicação de preços, serviços gratuitos, modalidades de pagamento; anúncios ou divulgação de títulos, qualificações, especialidades que não possua – ou não possua registro no CFO - CRO;  anunciar, divulgar técnicas de terapias de tratamento que ainda não estejam cientificamente comprovadas; criticar técnicas utilizadas por outros profissionais como sendo inadequadas ou ultrapassadas; usar dados do paciente para benefício próprio ou beneficiar alguma empresa; anunciar que existe reserva clínica, como por exemplo “últimas vagas” ou “vagas limitadas”.

Outro erro frequente dos profissionais é a divulgação de tecidos biológicos. O Conselho Federal de Odontologia buscou resguardar a exposição de partes do corpo humano. Por isso, nada de fotos de dentes, pedaços de gengiva, gaze com sangue, entre outras partes, que possam não contribuir para uma boa imagem na odontologia, combinado? 

É sempre bom estar atento, e não cometer nenhuma das infrações éticas listadas acima, evitando processos disciplinares ou responder civilmente por uso indevido de imagem, causando muita dor de cabeça.
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!