Matérias

Edição 129
FOTOGRAFIA

Parto documental

Texto Rejane Martins Pires
Foto(s) Adrielle Mariano

Publicado em 02/07/2019

 
Cascavelense Adrielle Mariano é selecionada pela segunda vez para o prêmio internacional de fotografia Outstanding Maternity Awards


Ela era bancária, mas apaixonada por fotografia. Daquelas pessoas capazes de ficar tardes inteiras de domingo sentada no chão folheando álbuns e mais álbuns. Quando se tornou mãe, reconheceu o equívoco profissional. “Não era uma pessoa feliz e não queria ser uma mãe ausente física e emocionalmente para meu filho. Decidi mudar e parti para a ação”, conta Adrielle Mariano. 

Ela nem sonhava com fotografia de parto até conhecer a fotógrafa Thaliane Veigas, de Pato Branco, no Sudoeste do Estado. Quando engravidou, após um longo tratamento, contratou Thaliane. O nascimento de Pedro em 2016 foi um marco: primeiro parto fotografado por uma profissional na pequena cidade de Santa Helena. “Guardo essa recordação com o maior amor do mundo. É muito preciosa”.

Inspirada no próprio parto, especializou-se na área e hoje, após três anos dedicados à fotografia documental, exibe em seu currículo dois prêmios Outstanding Maternity Awards, premiação internacional de fotografia de família. “Ser reconhecida por uma banca internacional e renomada de jurados é muito incrível. Isso me traz a confirmação de que estou no caminho certo, na profissão que o meu coração escolheu”, diz.

Para fotografar partos, explica, além de muita técnica é preciso entender de pessoas, de sentimentos e de emoções. Outro desafio está na agenda. Não há um controle, pois bebês não tem hora marcada para nascer, mesmo que seja uma cesárea agendada. A bolsa pode romper antes da data marcada, seja de madrugada, no feriado, ou no meio do almoço de domingo em família. “Isso é o que torna esse trabalho tão incrível. Eu amo não ter rotina e não ter controle de nada, quem manda em mim são os bebês”.

A emoção também é inevitável em todos os trabalhos. “Peço a Deus que seja para sempre assim, não quero nunca perder esse encantamento”, diz, lembrando que gosta de conhecer ao máximo cada envolvido, o que é importante para eles, a história daquele bebê, se foi planejado, se foi de surpresa. “Tudo isso me dá bagagem para que eu registre aquilo que é importante para a família”.

FOTO PERFEITA

Avessa a fotos posadas e com registros 100% documentais, Adrielle não se importa em ficar horas e horas esperando para ter fotos perfeitas, ou seja, registros precisos com toda a emoção e o sentimento daquele momento único. “Sou apaixonada e apoiadora do parto natural e fico à disposição da parturiente sem limite de tempo durante todo o trabalho de parto até o nascimento do bebê”. 

O investimento para tanta dedicação e preciosidade histórica varia de R$ 800 a R$ 1,4 mil, incluindo o registro do nascimento do bebê e o primeiro banho no hospital. “Fotografia é um investimento que quanto mais o tempo passa mais valiosa ela se torna”, ressalta. 

UMA HISTÓRIA

“Eu poderia escrever páginas e páginas. Cada parto tem uma história, algumas engraçadas, outras emocionantes, e todas carregadas de muito amor. Mas vou contar para vocês uma situação que me ocorreu no início deste ano. Por volta das 21 horas a doula da minha cliente manda uma mensagem dizendo: “Estou saindo agora da casa da fulana, acho que vamos trabalhar na madrugada, ela está em fase latente, bem no comecinho ainda, mas só para te deixar avisada”. Beleza, pensei comigo, vou dormir um pouco, pois tinha sido um dia superagitado. Eis que uma hora da madrugada ela me liga dizendo que estavam indo para o hospital para avaliação da obstetra.

Algo me disse para eu ir naquele momento. Fui. Cheguei no hospital e vi a doula sentada na recepção, o pai no balcão preenchendo os documentos e a parturiente no pronto-socorro, tudo aparentemente tranquilo. Sentei com a doula, peguei a minha câmera na mão e revisei a bateria, cartão de memória, tudo certo. De repente, ouvimos um choro de bebê. Todos se olharam e o pai diz: “Gente, é meu filho...” Ele saiu correndo e eu corri atrás. Sim, o bebê nasceu no pronto-socorro. Ela pariu lindamente seu filhote, sozinha, sem marido, sem doula, sem fotógrafa, sem médica, sem ninguém, embora todos estivessem ali”.

Legenda:
Adrielle Mariano: premiada em duas edições do concurso Outstanding Maternity Awards
Foto premiada é da primeira cesárea que registrou ainda no começo da carreira


 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!