Matérias

Edição 133
PREVENÇÃO

Outubro rosa é todo dia

Na corrida pela cura, Vanuza inspira e reforça: para o câncer de mama, todo dia é dia de prevenção

Texto Assessoria de Imprensa

Publicado em 25/10/2019

O que você faria se descobrisse que tem câncer de mama? Dentre as variadas opções de resposta, Vanuza Ramos Velho escolheu uma alternativa: não se deixar abalar. Vendedora, 50 anos, é uma apaixonada pela vida. 

Acredita que cada dia é um presente. Por isso, o câncer não era digno de causar desmotivação. Afinal, na vida de Vanuza, o câncer de mama era mais um desafio. Ex-alcoolista, tornou-se maratonista para vencer a dependência. Corria, em média, 50 km por dia e, quando acreditou ter superado a fase mais difícil da vida, descobriu o câncer.

Trajetória
Depois de superar o alcoolismo, Vanuza entendeu o valor da saúde e família. Todos os anos, procurava o serviço de Radiologia e Diagnóstico por Imagem do Ceonc Hospital do Câncer para fazer mamografia, exame garantido pelo SUS para mulheres que, como ela, já haviam completado 40 anos. 

Em 2018, após perder peso em função da atividade física, redescobriu o corpo e, num autoexame, percebeu um carocinho na mama. “Corri fazer uma mamografia”, relata. No exame, o diagnóstico: um achado comum. Mas o tempo passou e o caroço aumentou. Novamente, Vanuza repetiu o exame e resolveu passar uns dias na casa da mãe, sem acesso a celular. 

Após várias tentativas de contato telefônico sem sucesso, a equipe do Ceonc recorreu ao cadastro da atleta no Posto de Saúde. Lá, conseguiram contato de um familiar. A notícia não era boa. Vanuza foi diagnosticada com câncer de mama. Fez mastectomia de um quadrante da mama e ciclos de quimioterapia. Agora, segue no protocolo de radioterapia.“Quando decidiu parar com o vício, era uma luta solitária. Não havia soldados na linha de frente, batalhando comigo”, diz. “Mas agora, com o câncer, sei que não estou sozinha. No Ceonc, encontrei médicos que me acolhem; conheci enfermeiras que me acalmam e tive a chance de ter contato com pessoas que, todos os dias, me ensinam alguma coisa”, continua.

O câncer lhe deu a exata dimensão da fragilidade da vida, bem como a urgência de viver. Vanuza continuou correndo, fazendo academia e aulas de cross fit. “Depois de terminar o tratamento, quero me preparar para a ultramaratona de 100 km em dez dias. Não para ganhar ou ser a melhor, mas para ter o gostinho de saber que eu sobrevivi a mais esse desafio”, enfatiza.  

Câncer de mama
Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer, as estimativas indicam o surgimento de pelo menos 59.700 novos casos da doença só em 2019. “O câncer de mama porque é uma doença sem causa específica. Dado esse caráter dúbio, reforçamos a necessidade das mulheres realizarem a mamografia todos os anos”, reforça o médico oncologista do Ceonc, doutor Reno Paulo Kunz.

Neste ano, o hospital começou a campanha “Outubro Rosa é todo dia” para promover a conscientização de que para o diagnóstico precoce, não existe data pré-definida. Além da mamografia durante, o hospital oferece uma estrutura completa, com encaminhamento da paciente para exames complementares e, se necessário, para fazer cirurgia, quimioterapia, radioterapia e reconstrução mamária. 

Para agendar a mamografia pelo SUS, basta entrar em contato com o Ceonc pelos telefones (45) 3324-4116, em Cascavel e (46) 3055-6161, em Francisco Beltrão. 




 “Não esperem outubro para irem ao médico. Cuidem-se o ano todo”
Vanuza
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!