Matérias

Edição 139
CAPA

Vamos tomar um café?

Texto Rejane Martins Pires
Foto(s) Fotos: Bruna Scheidt e Cassius Giorgio

Publicado em 15/05/2020



À frente do Seven Coffee Club, Luana e Cristian tem uma história incomum e uma filosofia bem simples: respeitar o paladar do cliente,
oferecendo excelência e preço justo!

 
“Vamos tomar um café?”. Nunca um convite foi tão bem recebido quanto este pela empresária Luana Scorsatto. Quem a convidou foi o marido, o gaúcho Cristian Kobber. Ambos estavam em busca de novos rumos e, numa visita descompromissada a uma cafeteria em Curitiba, onde moravam, encontraram o caminho.

Ela, publicitária por formação. Ele, empresário no ramo de autopeças. Ela, apaixonada por café. Ele, por chimarrão. Se parece impossível encontrar um elo nesta história, basta olhar para o Seven Coffee Club, a charmosa cafeteria da Rua Sete Setembro.  Aberta há dez meses pelo casal, o Seven Coffee é resultado de uma paixão. Uma, não. Duas. A paixão de Luana por café, e, igualmente, a paixão de Cristian por Luana. 

E tudo começou muito antes de se conhecerem. Durante dez anos, Luana trabalhou numa multinacional de telefonia, atendendo um público diferenciado em todo o País. O que acontecia? Ela saía de Cascavel e ia até o cliente. Era atendida, porém, com muita interferência. “Era a secretária, eram outras pessoas esperando, enfim, não era produtivo”, lembra.

Como já frequentava cafeterias, percebeu ali o espaço ideal para as reuniões de trabalho. E ao tirar os clientes de seus escritórios tumultuados para um ambiente neutro, não só aumentou a produtividade como fortaleceu os laços com a bebida. “Focados e aguçados pelo aroma delicioso do café, resolvíamos tudo de forma objetiva”.

A estratégia tornou-se rotina e Luana conheceu muitos cafés. Começou por São Paulo e chegou ao Nordeste, onde ainda eram incipientes. “De tanto frequentar, me apaixonei”, afirma.

O convite inesperado
Quando começaram a namorar em 2015, jamais imaginavam montar um café. Nem mudar de Cascavel. Isso até 2017, quando Cristian recebeu um convite para gerenciar uma a maior loja da América latina no ramo de autopeças em Curitiba. A proposta foi tão tentadora que ele vendeu sua empresa aqui e lá se foram. “Pela primeira vez na vida fiquei sem trabalhar, morando numa cidade grande, tendo que me adaptar a tudo, inclusive à ausência do marido, que saía às 7h30 e voltava somente à noite”, conta Luana. 

Com tempo de sobra, resolveu estudar. Não um estudo formal. Um estudo bem mais prazeroso. Sobre café, é claro. Foi conhecer as cafeterias da capital, estudar os grãos, os diferentes tipos. Resumindo, aprofundou-se no tema. Até então somente uma forma de ocupar-se. Mas, aquele convite lá do começo desta história, mudou tudo. “O Cristian não gostava de café. Gaúcho não tem esta cultura. Então, quando ele me convidou para tomar um café, opa! Senti algo diferente”.

De fato, quando chegaram na cafeteria, Cristian parou na porta e deu uma olhada de 360 graus. Quando voltou-se para a esposa, ela estava estática, com um brilho incomum nos olhos. “É agora ou nunca mais”, falaram. “A partir daquele dia, começamos a olhar a cafeteria com outros olhos”.

Já decididos a voltar para Cascavel, não se intimidaram em pedir orientação para a proprietária. Deu tão certo que trouxeram todo um know-how de mais de duas décadas para o Seven, aberto ao público em junho de 2019, cinco meses após a decisão. “Nós queríamos uma cafeteria moderna e bem eclética”./arquivos/images/4%20BRU_9161.jpg
 Sofá na sala
Inspiração não faltou. Uma delas veio do seriado “Friends”. Impossível não se identificar com o sofá e o trecho da música "I'll be there for you" na parede. Tudo no Seven Coffee Club foi pensado para criar uma relação mais próxima com o cliente. “Nossa filosofia é despertar nas pessoas o gosto pelo café e a vontade de conhecer mais sobre a bebida, sempre de uma maneira natural, sem imposição, nem intimidação”.

A regra é simples: deixar o cliente falar, perguntar, acompanhar o processo de moagem e, aos poucos, ir orientando sobre os tipos de café, as harmonizações. “No começo, o pessoal vinha com uma ideia fixa, um conceito, muitas vezes se desculpando por colocar açúcar no café. Mas café é paladar. Temos que respeitar isso”, ressalta a empresária.

Outro equívoco está na ideia de que um café selecionado é caro. “Não é caro. Quando montamos aqui, pensamos muito nisso. Você pode oferecer um café de  qualidade, moído na hora, sem precificar em excesso”. 


/arquivos/images/BRU_8990.jpg            /arquivos/images/DSC_5644.jpg            /arquivos/images/3%20BRU_9016.jpg
 
Cardápio harmonizado
No vasto cardápio do Seven, há café para todos os gostos, dos espressos aos clássicos e exóticos. Café espresso romano, espresso macchiato, café mocha, café mineiro, café aromatizado, cappuccino brasileiro e italiano são algumas das opções. Entre os gelados, destaque para o cappuccino de frutas vermelhas. Para quem gosta de drinks, a dica é o café Amarula, quente ou gelado, e o choconhaque. Para comer, um menu de sanduíches preparados pela própria Luana e sobremesas especiais, como petit gateau, pastel de Belém e croissant com sorvete. Ah, no Seven, o aroma de café fresquinho é permanente. O cheiro agradável vem da moagem, feita na hora, ritual prestigiado pelos clientes assíduos.
  
/arquivos/images/DSC_5605.jpg                              /arquivos/images/DSC_5649.jpg

SERVIÇO
Endereço: Rua Sete de Setembro, 3219
Telefone: (45) 99965-3488
Horário: de segunda a sexta, das 11 às 19h30
              sábado, das 9h30 às 19 horas
              domingo, das 14 às 19 horas
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!