A revista mais premiada do Paraná
13 anos de história
Edição 141

Onde enterraram seu umbigo?

Texto Rejane Martins Pires

Publicado em 16/07/2020

“O eu-ismo ou a arte de olhar apenas para o próprio o umbigo consiste em passar a vida falando em tons de eu”

Asfixiada pelo mundo pandêmico e com um sentimento de obsolescência, resolvi pesquisar sobre o umbigo. Isso mesmo. Falam tanto em umbigo, gente que só pensa no próprio umbigo e gente que nem umbigo tem, que fui atrás do meu umbigo, ou melhor, “inbigo”, como dizia minha parteira, dona Alice. Descobri então algumas lendas. 

Antigamente, era comum enterrar o umbigo dos bebês. Mas não em qualquer local, pois isso determinaria sua vida futura. Enterrar embaixo de uma roseira faria da menina uma linda mulher. Enterrar na porteira ou no curral da fazenda faria do menino um rico fazendeiro. No terreno de um hospital, médico. Perto da prefeitura, político. E assim por diante, conforme a imaginação. 

Encasquetei com meu umbigo. Chamei dona Joana e perguntei onde fora enterrado. “No mato”, disse. E dos meus irmãos? – repliquei. “No curral”, respondeu. Silenciei por um instante. Cético, meu pai não era levado a lendas, mas inconscientemente quis fazer dos meus irmãos fazendeiros ricos, e de mim, sei lá, talvez um “bicho do mato”. Que felicidade a minha! Sou isso mesmo. “E, não há, pois, como fugir da própria origem”, como disse o sábio Luiz José de Mesquita, tradutor de “Mater et Magistra”. 

Certa vez, diante de um amigo que se afastava de suas origens, aconselhou: “Não faça isso, não se vá. É uma busca inútil. Nenhum lugar do mundo é mais importante do que a cidade onde a gente nasceu, viveu, onde o umbigo foi enterrado”. Às vezes, ensina, é preciso estar no universo para, então, “descobrir que o melhor da vida está em sua própria província, síntese de tudo”. E o seu umbigo, está enterrado onde?

** Com isso, declaro aqui o desejo de jogar minhas cinzas num pé de araucária que plantei na Fazenda Santa Clara, lugar onde nasci, em Sertãozinho!

 

Deixe seu comentário

Expresse, fale, opine, sugira! Nós queremos fazer nossa Aldeia cada vez melhor.

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

6 COMENTÁRIO(S)

Minha mãe dizia que não podia deixar os ratos comer por isso guardei por tanto tempo.
comentado por Alzira Barbosa dos Santos em 23/08/2021
Eu guardo ainda os umbigos de 4 filhos 3 meninas e um menino. Hoje encontrei em uma caixa os umbigos e resolvi enterra como moro na cidade enterrei no jardim debaixo das roseiras, enterrei tudo junto e depois resolvi pesquisar onde enterra. Vc tem alguma resposta pra mim? Obrigada!
comentado por Alzira Barbosa dos Santos em 23/08/2021
Gosto de curiosidades antigas.
comentado por Luis Guerra Cavalcante em 19/08/2021
Adorei, a lenda!! Vai que cola 🤷‍♀️ Minha netinha perdeu hoje o umbigo , será que posso enterrar na orquídea, não tenho roseiras, meu filho enterrei na porteira de um matadouro, frigorífico , foi o mais perto de um curral , passava boi , das meninas na roseira casa da minha mãe !tive que improvisar , e será que na orquídea da certo
comentado por Cassia em 27/07/2021
Com fé, dá certo sim! Sua neta vai ter uma linda e inspiradora existência... orquídeas representam pureza espiritual, força e nobreza!
comentado por Revista Aldeia em 27/07/2021
Meu umbigo foi enterrado numa roseira no jardim da casa onde eu morava e sou extremamente terra...sol em touro e ascendente em virgem e sempre,modéstia a parte ,me disseram que fui uma criança,uma menina, una mulher bonita -mas isto e pouco gente pq temis sim de ser íntegros e fortes
comentado por Maria Helena Lopes em 12/07/2021
Minha falecida vó falou para enterrar meu umbigo embaixo de uma árvore para quando crescer se tornar uma costureira.... enfim...o que ela falou se realizoukkkkkkkk
comentado por LIANDRA FELISBERTO TOMAZ em 23/04/2021
© 2021 REVISTA ALDEIA Todos os direitos reservados.
Alguma dúvida? Nos te ajudamos. Ligue: (45) 3306-5751