A revista mais premiada do Paraná
14 anos de história
Edição 158
BIOPARK

Muito mais que um hospital

Texto Rejane Martins Pires
Foto(s) Assessoria Biopark

Publicado em 23/02/2022


Hospital de Alta Complexidade da Unimed que será construído no Biopark nasce tendo a inovação e progresso científico como regra

Se Alexander Fleming, médico que dá nome à principal avenida do Biopark, estivesse vivo, com toda a certeza, seria o primeiro da lista a integrar a equipe do Hospital de Alta Complexidade da Unimed que será construído no parque tecnológico. E teria bons motivos para isso. Além de médico, Fleming era um pesquisador. Entre seus feitos, a descoberta da penicilina. 

Quando os fundadores do Biopark, Carmen e Luiz Donaduzzi pensaram em um hospital para o local, certamente idealizaram estas três frentes: ensino, pesquisa e atendimento de primeira linha. E isso ficou claro já no lançamento da obra. A cultura de inovação e excelência do Biopark será também a do hospital. 
 
Carmen e Luiz Donaduzzi

A grande sacada da obra é justamente esta integração entre ambos. O Biopark entra com o terreno, uma área de 20 mil m², e a Unimed, um investimento de cerca de R$ 60 milhões. Com a Faculdade de Medicina da UFPR no prédio ao lado, e também futuras clínicas médicas e outros empreendimentos na área de saúde, tudo vai convergir para o progresso científico.
 
Autoridades, representantes do Biopark e da Unimed no anúncio de instalação de um Hospital de Alta Complexidade da Unimed no Biopark 

O Hospital terá 40 leitos e mais 20 de UTI e atenderá diversas especialidades. As obras devem começar no início de 2024.

Mais um detalhe. Embora esteja sediada em Toledo, a estrutura não se limita a Toledo. Vai atender as regiões Oeste, Norte, Noroeste e Sudoeste do estado.
 

“A vinda do Hospital Unimed para cá é, para nós, um momento de muita alegria e, sobretudo, libertador. O sentimento é de que, a partir de agora, o Biopark se torna bem menos dependente de minha família. Ele já tem um motor próprio para continuar caminhando em direção do futuro”.

 
O presidente da Unimed Federação Paraná, Dr. Paulo Roberto Fernandes Faria e o diretor-presidente da Unimed Costa Oeste, Dr. Hiroshi Nishitani

“Caixão não tem gaveta”
"Caixão não tem gaveta”. Nada mais verdadeiro que isso. E quando dito por Carmen Donaduzzi isso ganha uma proporção real. O anúncio da construção do hospital é só mais um dos tantos compromissos da família Donaduzzi.
 

“Nós queremos deixar um legado para Toledo e região. Já temos a indústria farmacêutica que produz e vende medicamentos a preço justo e, agora, o Biopark. Prometemos também o prédio da Faculdade de Medicina e aí está ele. Caixão não tem gaveta. Não vamos levar nada”.


Agora, “se puder amenizar a dor de alguém”, diz, “aí sim, tudo faz sentido”. Ciente de que tudo tem o seu tempo determinado, ela vai além. Não estará viva para ver o projeto do Biopark num futuro distante. “Mas ficaria feliz, se, numa outra encarnação, eu pudesse passar aqui por cima e ver que concretizamos tudo o que sonhamos”, brinca. Vida longa, dona Carmen! Verá e fará muita coisa ainda... 

Deixe seu comentário

Expresse, fale, opine, sugira! Nós queremos fazer nossa Aldeia cada vez melhor.

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
© 2022 REVISTA ALDEIA Todos os direitos reservados.
Alguma dúvida? Nos te ajudamos. Ligue: (45) 3306-5751