Matérias

Lindo de morrer

Publicado em 22/02/2017

Sofisticados sistema de ajardinamento e chafariz nas instalações da Acesc buscam suavizar ambientes intrinsecamente
pesados

Texto: Jairo Eduardo
Fotos: Vanderson Faria

“Nos primeiros dias a frente da Acesc, eu tinha pesadelos freqüentes. Sonhava com caixão, velas e defuntos. Precisei tomar medicamentos para dormir”. As palavras são de Léo Rigon, em entrevista a Tarobá Cabo, pouco mais de um ano após assumir a superintendência da empresa. Hoje, perfeitamente adaptado as novas funções, Rigon deu início a um contingente de obras jamais visto na história da autarquia. Começou pela lição de casa: a transformação da área em frente a Acesc. O que era rua, virou praça. Vistosa jardinagem, calçamento em paver e até um chafariz passaram a fazer parte da paisagem.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!